Sonhe que saltam flores

Sonhe que saltam flores

Veja agora o que mostro:
nada na mão esquerda,
nada na mão direita;
repare no silêncio
porque não faço truque

(tudo é verdade, mesmo
no dedo que retiro,
nas meninas que miro
a faca, nas meninas
que corto em placas,
nas meninas que sumo
em caixas, nas cartolas
que guardam bichos presos).

Veja que agora exponho
dedos na mão direita,
dedos na mão esquerda;
repare: não são meus
os dedos decepados

(nada persiste mesmo
muito tempo na cena,
cumprimente à assistente
e oferte esparadrapo
para os pedaços: nada
é realmente dela,
nada no sangue pode
passar de tinta e corpo).

Veja que agora indico
num gesto pouco claro
o cano em tua nuca:
sonhe que saltam flores.

Newsletter

Não perca o melhor do Coletivo Práxis

Posts Relacionados

Solo

1 Prado cerrado soterra não tem corpo a grama cresce em fúria nos edifícios que ensaiamos em construir nos edifícios que preparamos por embasar sobre edifícios que sonhamos em erigir…
Ler Mais